26/3/19
 
 
Kevin Spacey. Afastamento de “House of Cards” levou a prejuízo de 34 milhões de euros

Kevin Spacey. Afastamento de “House of Cards” levou a prejuízo de 34 milhões de euros

AFP Beatriz Dias Coelho 08/01/2019 18:00

Foi largo o prejuízo que a saída de Kevin Spacey causou à Netflix mas, fora do ecrã, o ator declarou-se “inocente”. Decorreu ontem a primeira sessão do julgamento em que é acusado dos crimes de agressão sexual e ofensas corporais. Depois de Hollywood ter dado a sua sentença, é agora a vez de a justiça se pronunciar

São muitos os espetadores que dizem que “House of Cards” não é a mesma sem Kevin Spacey, mas foi com certeza a Netflix quem mais sentiu na pele a retirada do ator que dava vida à personagem de Frank Underwood: a plataforma de streaming perdeu 34 milhões de euros (39 milhões de dólares) com a saída de Spacey. Os números foram divulgados pela Netflix meses depois de ter despedido o ator, devido a alegações que colocavam Spacey no centro de um escândalo de abusos sexuais. Passado o julgamento da indústria – Hollywood não perdoou e o ator não voltou a trabalhar desde o despedimento –, arranca agora o julgamento na sala de audiências, onde o ator terá de se defender da acusação por crimes de agressão sexual e ofensas corporais a um homem de 18 anos.

Alegando que a presença de Spacey no banco dos réus iria intensificar a publicidade negativa gerada em torno do caso e que o ator reside fora do estado onde decorre o julgamento, os advogados requereram que o seu cliente não estivesse presente, mas o juiz rejeitou e, ontem, o ator deslocou-se a um tribunal de Nantucket, no estado de Massachusetts, para a primeira sessão, na qual se declarou inocente.

Mas Spacey não esperou pelo julgamento para se pronunciar quanto às suspeitas que sobre si recaem – nem para afirmar a sua inocência. Fê-lo assim que se soube a data da primeira audiência, de uma maneira especial: num vídeo publicado na sua página do YouTube a 24 de dezembro, recorrendo a um trocadilho – “Let me be Frank”, cuja tradução literal é “Deixem-me ser Frank”, remetendo para a sua personagem em “House of Cards”, mas que pode ser também entendido como “deixem-me ser franco”.

“Alguns estão a morrer para me ouvir declarar que tudo o que dizem é verdade e que tive o que merecia. Não era tão fácil? Se tudo fosse tão simples? Só que eu e vocês sabemos que nunca é assim tão simples, nem na política nem na vida. Mas vocês não acreditariam no pior sem provas, pois não? Não partiriam para julgamentos sem factos, pois não? Fizeram--no? Não, vocês não. São mais inteligentes do que isso”, diz o ator, encarnando a aclamada personagem a que deu vida na série da Netflix – e que, depois de cinco temporadas com Spacey como protagonista, chegou ao fim em novembro, à sexta temporada, protagonizada pela mulher de Frank Underwood, Claire Underwood (Robin Wright).

Mas o que levou exatamente Spacey ao banco dos réus? Tudo terá acontecido em julho de 2016 num restaurante-bar de Nantucket. Um dos empregados do restaurante travou conversa com o ator e, depois de pagar várias bebidas alcoólicas ao rapaz – que disse ao ator que tinha 23 anos, quando na verdade tinha 18 –, Kevin Spacey ter-se-á vangloriado relativamente ao tamanho do pénis, tentando convencer o jovem a ir com ele para casa. Mas, segundo a queixa do jovem à polícia, à qual a cadeia norte- -americana CNN teve acesso, o ator terá ido mais longe: aproveitando-se da alcoolemia do rapaz, começou por lhe colocar a mão na perna, tendo-lhe depois aberto as calças e agarrado no pénis durante perto de três minutos. De acordo com o jovem, o ator terá depois ido à casa de banho, altura em que o rapaz foi para casa.

O incidente foi, em parte, filmado no Snapchat pelo rapaz, que enviou o vídeo à namorada. Mas a gravação não regista caras, facto que aliás foi apontado pelos advogados do ator numa audiência que aconteceu na última semana, antes do arranque do julgamento. Na mesma audiência, o ator avançou, de resto, que iria declarar-se inocente perante as acusações que o levam a julgamento.

Foi apenas um ano depois do alegado episódio que o jovem apresentou queixa à polícia, apesar de ter contado tudo à família. O caso acabou por vir a público mais tarde, pela voz da sua mãe, a outrora apresentadora de televisão Heather Unruh, que decidiu denunciar tudo numa conferência de imprensa.

Este é o caso que leva o ator a tribunal, mas o homem que interpretou vários papéis que ficarão eternizados na história do cinema – como o de Lester Burham em “Beleza Americana”, que lhe valeu o Óscar de Melhor Ator em 2000 – é acusado na praça pública de comportamentos idênticos aos que o queixoso descreve. É o caso do ator Anthony Rapp, que levantou suspeitas em torno de Spacey ao acusá-lo de o ter tentado seduzir quando tinha 14 anos anos. E não foi o único: várias denúncias vieram a público desde aí, encorajadas pelo movimento #MeToo e pelo escândalo que envolveu o produtor Harvey Weinstein.

A história do fim O afastamento de Kevin Spacey da série “House of Cards” foi particularmente dispendioso e apanhou os seguidores da série de surpresa. Tudo começou com a acusação de Anthony Rapp, que mereceu uma reação do ator no mesmo dia. No Twitter, Kevin Spacey pediu desculpa a Rapp, afirmando não se lembrar do caso. Rapp não se pronunciou sobre o pedido de desculpas. Uma semana depois, a Netflix emitiu um comunicado em que anunciava que Kevin Spacey não iria continuar a participar na série se “House of Cards” continuasse. Outra porta se fechou para o ator: o filme “Gore”, também da Netflix, estava perto do lançamento quando a polémica estalou e acabou por ser cancelado, o que contribuiu mais ainda para o prejuízo da plataforma de streaming.

O despedimento – que resultou em horas e horas de trabalho desperdiçadas, uma vez que as gravações que já tinham sido feitas foram descartadas – envolveu a série numa nuvem de incerteza, que acabou por estar suspensa enquanto os produtores procuravam possíveis resoluções. O caminho eleito dividiu opiniões: o argumento foi reescrito e, à sexta – última – temporada, Claire Underwood ocupou o lugar que antes pertencera a Frank Underwood. Mas o fantasma do anterior protagonista estava lá; a escolha não agradou a todos e não faltaram críticas negativas quanto ao resultado final.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×