27/5/19
 
 
Saúde. Agulhas usadas pelos diabéticos vão parar ao lixo comum

Saúde. Agulhas usadas pelos diabéticos vão parar ao lixo comum

Dreamstime Rita Pereira Carvalho 14/05/2019 21:09

O material usado pelos diabéticos ainda não tem um destino traçado - acaba no lixo comum dentro de garrafas de água. A Quercus sugere a recolha em ambulatório, mas o Governo - apesar de conhecer o problema há anos - ainda não tomou qualquer decisão.

Uma doença invisível. Quem olha não vê e quem tem não sente que as células se destroem e deixam de produzir insulina. A diabetes não escolhe idade, nem sexo. O pâncreas está sempre atento ao estilo de vida, à alimentação, ao sedentarismo e, quando não aguenta mais, lá aparece a diabetes. Quem vive com esta doença habitua-se à ideia de ter de picar o dedo todos os dias, e até várias vezes por dia, para medir os níveis de glicemia. Mas é aqui que começa a dúvida, porque as agulhas, lancetas e seringas utilizadas para administração de insulina têm o mesmo fim que os restos que sobram do jantar: o lixo comum.

O problema é tão antigo quanto a doença. As agulhas e seringas usadas para a diabetes não têm um tratamento próprio e acabam no lixo comum e em aterros. Tendo em conta que a diabetes é uma patologia que afeta 13,3% da população portuguesa, e embora nem todos os doentes façam esta terapêutica, existem “cerca de 650 mil unidades por dia que não têm destino correto para onde ser encaminhadas”, refere a Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP).

A questão que hoje se impõe, com a quantidade de material injetável e cortante que se usa em casa é, de facto, porque é que não existe uma solução para tratar este tipo de lixo? Em Portugal não há solução para este problema. Quem tem diabetes usa, normalmente, uma garrafa de plástico para colocar as agulhas – uma forma de evitar que o material se espalhe no restante lixo – já que é rejeitado pelas farmácias e pelos centros de saúde. Por exemplo, nos hospitais – dado o grande volume de material usado todos os dias – existe um lixo próprio para estes resíduos que acabam nas incineradoras.

Soluções Para tentar resolver o problema que, aliás, é considerado de “saúde pública”, a Quercus lançou uma petição para criar e dinamizar mecanismos que financiem uma rede de recolha próxima da população. Esta solução foi criada à semelhança do que já acontece com a recolha de medicamento em ambulatório – cada pessoa entrega os medicamentos nas farmácias ou centros de saúde mais próximos e uma empresa, da responsabilidade do Estado, recolhe o material para que seja devidamente encaminhado.

A responsabilidade é do Governo, mas este parece estar ainda confuso sobre a forma como o problema poderá ser resolvido. José Manuel Boavida, presidente da APDP, falou ao i dos obstáculos colocados pela tutela ao longo do tempo. “No passado tivemos uma guerra entre a Direção-Geral da Saúde (DGS) e a Direção-Geral do Ambiente para ver quem é que é o dono desta situação”, disse, acrescentando que “normalmente, estas situações ficam órfãs e ninguém toma conta”.

José Manuel Boavida trabalha com a Direção Geral da Saúde há cerca de dez anos e recorda que, nessa altura “havia uma proposta na DGS em que os centros de saúde – dado que também eles têm lixo contaminado e lixo para destruir – poderiam centralizar todo este processo e depois utilizar os meios do SNS de incineração para destruir este material”, conta. No entanto, nessa altura, a Direção-Geral do Ambiente “opôs-se, dizendo que essa era uma matéria do seu pelouro e não da DGS”, explicou o presidente da APDP. O problema não se resolveu e parece ter ficado esquecido.

Agora, contactado pelo i, o ministério tutelado por Marta Temido apenas revelou que “a Direção-Geral da Saúde remeteu um documento que elenca um conjunto de cenários relativos à gestão e recolha de seringas usadas” e, por isso, “o ministério da Saúde está a analisar este documento internamente”.

Há, no entanto, quem não fique à espera da tutela para colocar em prática os seus projetos – é o caso do município de São João da Madeira, que começou na semana passada a distribuir minicontentores para recolha de agulhas, lancetas e seringas de administração de insulina. Depois de feita a recolha, o município responsabiliza-se por eliminar os materiais de forma responsável e ambientalmente segura.

Uma das soluções passa por entregar as agulhas e injetáveis nas farmácias mais próximas. Para perceber até que ponto esta solução seria viável e qual o papel das farmácias, o i contactou a Associação de Farmácias de Portugal (AFP). Neste momento, as farmácias portuguesas fazem a recolha de seringas apenas no âmbito do Programa Troca de Seringas – um programa especialmente dirigido às pessoas que utilizam drogas injetáveis. “Neste caso, as farmácias recolhem as seringas usadas (que depois são destruídas) e, em troca, devolvem aos utentes material esterilizado”, explica Manuela Pacheco, presidente da AFP.

Quanto à recolha de material usado por pessoas diabéticas, esta é, de facto “uma lacuna no mercado de soluções seguras e ecológicas”, diz Manuela Pacheco, acrescentando que algumas farmácias, “compreendendo a problemática dos doentes diabéticos, acabam por aceitar pontualmente as seringas usadas, assumindo os custos desta recolha”.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×